quarta-feira, 31 de maio de 2017

Reflexões sobre as políticas do sector Rádio
































Está disponível em acesso livre o eBook «Teias da Rádio: Ensaios e Reflexões Sobre as Políticas do Setor», da autoria de Pedro Costa e editado pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) / Universidade do Minho.
aqui 

terça-feira, 30 de maio de 2017

Boa Rádio à 3ª feira








10:00/12:00 – TSF - Forum TSF 
10:00/13:00 – RADAR - Inês Meneses 
13:00/14:00 – TSF - A Playlist de 
14:00/17:00 – RADAR - Joana Bernardo 
16:00/20:00 – Antena1 - Paulo Rocha 
19:00/20:00 – Antena3 - Prova Oral 
20:00/21:00 – Antena2 - Jazz a Dois 
20:00/23:00 – SBSR - Arena Lunar 
22:00/23:00 – Antena3 - Portugália 
23:00/00:00 – Antena2 - A Ronda da Noite 
00:00/01:00 – Antena2 - Raízes 
01:00/02:00 – TSF - Começo de Conversa 
02:00/05:00 – Antena1 - Linha do Horizonte

domingo, 28 de maio de 2017

Hoje na RADAR






















Chris Cornell morreu no passado dia 18, aos 52 anos de idade e a RADAR homenageia o músico norte-americano com a transmissão na íntegra do quinto trabalho gravado com os Soudgarden.
Editado no dia 21 de Maio de 1996, «Down on the Upside» foi um dos mais importantes álbuns da carreira do grupo fundado na cidade de Seattle em 1984, que no início dos anos 90 se tornaria num dos porta-estandartes do movimento Grunge.
Emissão contextualizada, realizada e apresentada na estação alternativa de Lisboa por Joana Bernardo.

Álbum de Família 
RADAR
Domingo ao meio-dia
2ª feira às 23:00

Dia Mundial das Comunicações Sociais














Rádio | Televisão | Jornais | Revistas | Internet 

sábado, 27 de maio de 2017

Hoje em Lisboa

































A estreia absoluta de mais uma obra de Sérgio Azevedo, o Concerto para Flauta e Orquestra Giochi di Uccelli, é o primeiro motivo de interesse que se destaca neste programa, dirigido pelo maestro Pedro Neves e que tem como solista Nuno Inácio, 1.º Flauta da OML. Mas a música de Stravinsky vem ao seu encontro, por se tratar de uma (boa) influência assumida pelo compositor português. O bailado Pulcinella foi estreado na Ópera de Paris em 1920, com cenários de Pablo Picasso e coreografia de Léonide Massine.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Mas qual futuro?












Vai na 5ª emissão o programa do novo Provedor do Ouvinte da Rádio Pública.
Num estilo muito pessoal, diferenciando-se claramente dos seus antecessores, João Paulo Guerra recorre a um discurso situado entre a ironia fina e algum sarcasmo, dizendo a verdade funda por entre as palavras.
Desta vez falou-se do tão famigerado "Futuro da Rádio".
Por falta de tempo, ou por não haver muito para falar sobre o caso, o assunto ficou-se pela superfície, juntando a Rádio dita "tradicional" com rádios exclusivamente digitais, podcasts, DAB, etc.
Vai na praça uma grande confusão sobre a definição mais correcta sobre o que é a Rádio hoje. Confusão essa que não começou no programa do Provedor da Rádio Pública, é-lhe muito anterior, mas que promete continuar a esvoaçar por aí, em ondas hertzianas, cabos de fibra óptica e wireless.

Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado. 
George Orwell

Em Nome do Ouvinte 
João Paulo Guerra
Antena1
Sexta-feira às 16:10
Ouvir aqui 

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Os 30 anos deste disco






















Editado no dia 25 de Maio de 1987. Faz hoje trinta anos.
É um dos álbuns mais importantes dos britânicos The Cure, a eterna banda de Robert Smith, fundada no sul de Inglaterra no ano de 1976. Da formação original, só Robert Smith se mantém, ao fim de 41 anos e 13 álbuns de originais. São visita recorrente a Portugal e têm presença assídua em Rádios nacionais, não só com temas deste disco. 
Os temas mais conhecidos deste sétimo e duplo álbum dos The Cure: "Catch”, “Why Can’t I Be You?”, “Just Like Heaven” e “One More Time”. 




quarta-feira, 24 de maio de 2017

Boa Rádio à 4ª feira

















10:00/12:00 – TSF - Forum TSF 
10:00/13:00 – RUM - Elisabete Apresentação 
13:00/14:00 – TSF - A Playlist de 
14:00/15:00 – RADAR - Álbum de Família 
16:00/21:00 – RADAR - Pedro Ramos 
19:00/20:00 – Antena3 - Prova Oral 
20:00/21:00 – Antena2 - Jazz a Dois 
20:00/23:00 – SBSR - Arena Lunar 
22:00/23:00 – Antena3 - Portugália 
23:00/00:00 – Antena2 - A Ronda da Noite 
00:00/01:00 – Antena1 - Visita Guiada 
01:00/02:00 – Antena1 - Alma Lusa 
02:00/05:00 – Antena1 - Linha do Horizonte 

terça-feira, 23 de maio de 2017

Os 20 anos deste disco






















Editado primeiramente no dia 21 de Maio de 1997 no Japão, 16 de Julho no Reino Unido e no dia 1 de Julho nos Estados Unidos, o terceiro álbum dos britânicos Radiohead, em plena era Brit Pop dos anos 90, ficou como um marco fundamental da música Pop-Rock anglo saxónica.
Daqui saíram temas como “Karma Police”, “Paranoid Android”, “The Tourist”, “Exit Music (For a Film)” e “No Surprises”. 
Obteve grande aceitação por parte da Rádio portuguesa, onde os Radiohead já gozavam de invejável estatuto desde o icónico tema “Creep”, em 1993. 
Ainda hoje se escutam em algumas rádios portuguesas temas deste álbum, que agora completa duas décadas. Atingiu a primeira posição nos Tops de vendas em vários países (não em Portugal). 



Na celebração dos vinte anos de «OK Computer», a RADAR está a levar a cabo a interessante iniciativa de convidar músicos nacionais a gravarem versões dos temas que fazem o alinhamento do álbum. Essas novas versões podem ser escutadas em exclusivo nas emissões diárias da estação alternativa de Lisboa e enquadram-se na comemoração dos 15 anos da RADAR
















Artistas convidados:
Batida, Benjamim, Duquesa, Filipe Sambado, Mirror People, Modernos, Primeira Dama & Coelho Radioactivo, Samuel Úria, Sequin, Tape Junk, Vaarwell e You Can’t Win, Charlie Brown. 

Mais informação aqui 

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Gilberto Ferraz















09 Fevereiro 1934 - 19 Maio 2017 

Antigo correspondente da TSF em Londres, tinha 83 anos de idade.  
Natural da freguesia de Tonda, no concelho de Tondela, foi o mais carismático correspondente português em terras de sua majestade, onde vivia desde 1965 e onde morreu na passada sexta-feira. 
Uma longa carreira na BBC na capital inglesa, Gilberto Ferraz foi correspondente da TSF durante uma década, de 1995 a 2005. Deixa obra publicada: os livros: «Por Terras de Sua Majestade» e «Timor-Leste, Uma Dívida por Saldar».






















Notícia na TSF aqui 
Ouvir Gilberto Ferraz na TSF aqui 

domingo, 21 de maio de 2017

Boa Rádio ao Domingo











07:00/09:00 Antena2 – Sol Maior
09:00/10:00 Antena2 – Café Plaza
10:00/11:00 Antena2 – Um Certo Olhar
11:00/12:30 Antena2 – O Tempo e a Música
12:00/13:00 RADAR – Álbum de Família
13:00/14:00 RADAR – Comércio Livre
14:00/15:00 TSF – Reportagem
15:00/16:00 Antena2 – Memória
16:00/18:00 Antena2 – Música Aeterna
18:00/22:00 Antena2 – Mezza-Voce
22:00/23:00 Antena3 – A Profecia do Duque
22:00/23:00 Antena2 – Caleidoscópio
23:00/00:00 Antena2 – Argonauta
23:00/01:00 SBSR – Vidro Azul
01.00/02:00 Antena3 – Espelho Meu
02.00/03:00 Antena3 – O Disco Disse
02:00/03:00 Antena1 – Visão Global

sábado, 20 de maio de 2017

A LUGAR COMUM apresenta:


































Noiserv (PT)
www.noiserv.net
noiserv.bandcamp.com
facebook.com/noiserv

Sábado, 20 de Maio de 2017 às 21h30
TAGV - Teatro Académico de Gil Vicente (Coimbra) 

Desde 2009, altura em que, pela primeira vez, a Lugar Comum acolheu um concerto de Noiserv, que o percurso ímpar deste músico português vinha avolumando o desejo de o voltar a fazer. 
Com cerca de 12 anos de existência, Noiserv, “homem-orquestra”, ou banda de um homem só, tem vindo a afirmar-se como um dos mais estimulantes projectos da nova geração de músicos portugueses. No  currículo conta com o bem sucedido disco de estreia “One Hundred Miles from Thoughtlessness” [2008], o EP “A Day in the Day of the Days” [2010], e “Almost Visible Orchestra” [2013], recentemente reeditado internacionalmente pela editora francesa Naïve, casa-mãe de projectos como Yann Tiersen, M83, entre muitos outros. O mais recente "00:00:00:00", de 2016, é um disco diferente daquilo a que Noiserv nos tem habituado. A “orquestra de sons”, que tão bem lhe conhecemos, deu lugar ao som de um piano tocado a muitas mãos, enquanto da sua voz vemos sair, nos temas não instrumentais, histórias em português. 
Dia 20 de Maio, pelas 21:30, será uma oportunidade única para assistir, no Teatro Académico de Gil Vicente, à apresentação do novo disco, bem como à revisitação dos álbuns anteriores.

(...) rodeado de botões, teclados, metalofones e quaisquer objectos que produzem o som certo para determina canção, ou sentado simplesmente ao piano, David continua a ser um só homem (com o charme de um homem só).  
Ípsilon

A paleta de sons no catálogo de Noiserv pode ser muito extensa, mas há um traço que acompanha todas as criações: o apuro nas composições e a marca da introspeção.
Jornal i

Noiserv deixa para trás a roupagem electrónica, atira com o inglês às urtigas e surpreende com um disco feito exclusivamente de piano e cantado em português. Uma transformação total ainda que, por entre estas faixas, se distinga a caixa musical noiserviana que o compositor português tratou de construir com habilidade de carpinteiro.
Deus Me Livro 




Dada a lotação limitada da sala, a garantia de lugar é aconselhada e pode ser efectuada mediante o envio de e-mail para lugarcomum.pt@gmail.com (indicando nome completo e número de documento de identificação para posterior confirmação). As entradas reservadas deverão ser levantadas na data e local do concerto, entre as 21h00 e as 21h25, sob pena de perderem o seu efeito. 

Organização: Lugar Comum / TAGV
Apoio: Câmara Municipal de Coimbra / RUC-Rádio Universidade de Coimbra 

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Ela na Rádio













Fotografia de Jorge Carmona 

É agora como nunca. Antologia Incompleta da Poesia Contemporânea Brasileira 
A viver em Portugal por um período de meio-ano, enquanto professora convidada da Universidade de Coimbra, Adriana Calcanhotto foi entrevistada no mais belo dos actuais programas diários da Rádio portuguesa.
Deliciosa conversa sobre Literatura, onde a compositora e cantora brasileira falou, entre outros, de Mário de Sá Carneiro e Fernando Pessoa.

Ver & Ouvir aqui

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Os 30 anos deste disco






















Editado em Abril de 1987, «Keep Your Distance» foi o primeiro álbum do grupo britânico Curiosity Killed The Cat. A banda londrina, fundada em 1984, apenas editou dois álbuns. Ambos na segunda metade dos anos 80. Fortemente ligado ao mundo da Moda londrina no virar da década de 80 para 90, o conjunto liderado pelo vocalista Ben Volpeliere-Pierrot desfez-se em 1992.
Neste primeiro trabalho gravado pelo quarteto, misturando Pop com Funk e Jazz, o sucesso foi quase imediato, atingindo o primeiro lugar do Top do Reino Unido, onde se manteve durante 13 semanas consecutivas.
Em Portugal foi amplamente divulgado no Correio da Manhã Rádio, principalmente no espaço nocturno «Os Silêncios de Ouro», onde este disco foi várias vezes transmitido na íntegra. Actualmente estão completamente esquecidos na Rádio portuguesa.
Daqui saíram singles que na altura ficaram muito conhecidos, como "Misfit", "Down to Earth" e "Ordinary Day". No entanto, o meu tema preferido deste álbum foi sempre "Red Lights".


quarta-feira, 17 de maio de 2017

Hoje em FRANÇA



terça-feira, 16 de maio de 2017

Vemos, ouvimos e lemos

Não podemos ignorar 













Estreou em Fevereiro na Antena1 o programa «Sultões do Swing». Da autoria de José Navarro de Andrade, tem o mérito de recuperar para a Rádio pública um importante espólio musical abandonado aquando o fim do programa «A Menina Dança?» que, durante décadas, foi apresentado por José Duarte, se bem que algum desse cancioneiro norte-americano esteja a ser actualmente levado às manhãs de fim-de-semana na Antena2, com o regressado programa (dez anos depois da primeira série) «Café Plaza» de Germano Campos, desde Julho do ano passado.
O demérito está no nome do programa. «Sultões do Swing» foi o nome de um programa na RFM, da autoria de José Maria Corte-Real, nos anos 90, utilizando exactamente o mesmo cenário musical.
Com que necessidade acontece uma coisa destas? É tão difícil assim inventar nomes novos para programas de Rádio, ainda que utilizem a mesma matéria musical? 
A história recente da Rádio em Portugal está pejada de exemplos semelhantes. Alguns casos: 
Existe actualmente um espaço de programação na madrugada na Antena1 chamado «A Linha do Horizonte», o mesmo nome de um programa da autoria de Ricardo Saló na TSF entre finais dos anos 90 e início dos anos 2000. «Janela Indiscreta» foi nome de um programa também de Ricardo Saló na Antena1, nos anos 80, mas na mesma estação de Rádio foi nome de uma crónica diária de Pedro Rolo Duarte sobre blogues na Internet, na primeira década dos anos 2000 e ainda nome de um programa sobre Cinema, apresentado por Mário Augusto na RTP (que mantém-se nos dias de hoje, mas é TV). 
Em Novembro do ano passado a recém-criada SBSR tinha como nome de um programa semanal «Ronda da Noite», de Lara Marques Pereira, quando já existe desde Setembro de 2013 «A Ronda da Noite» de Luís Caetano na Antena2. A SBSR corrigiu algum tempo depois, dando outro nome ao espaço.
Mas não são apenas nomes a serem iguais. Indicativos de programas também. Ainda nos anos 80, o tema "Mar de Outubro" dos Sétima Legião foi indicativo do programa «A Ocidental Praia» de Rui Pego no FM da Rádio Renascença em 1985, mas o mesmo tema já era o indicativo do programa «Íntima Fracção» de Francisco Amaral na Antena1 desde Abril de 1984. O programa «Circuito Fechado» de José Mariño no CMR em 1988 tinha como indicativo «Theme I» dos Clan of Xymox, que já era sub-genérico (associado a um patrocínio) no programa «A Ilha dos Encantos» de Amílcar Fidélis na RFM desde Janeiro de 1987.
Nomes de programas de Rádio vindos de outras áreas artísticas como por exemplo a Pintura, o Cinema ou a Literatura tem sido uma prática eficaz e até saudável, mas nomes de programas de Rádio iguais a outros programas do mesmo meio demonstra, no mínimo, laxismo, preguiça, desconhecimento ou outras coisas mais graves. São demasiadas coincidências para serem apenas coincidências. 

Sultões do Swing 
Antena1 
6ª p/ Sábado às 00:00 
Ouvir aqui 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Habemus campeones


Três milagrosos ‘F’ 
















A Rádio Pública e a Emissora Católica Portuguesa estiveram bem na cobertura noticiosa à visita do Papa Francisco a Fátima. Mas o destaque vai para a TSF, num conjunto de emissões especiais desde a manhã de sexta-feira até meio da tarde de Sábado, incluindo a noite de sexta-feira, na mundialmente famosa procissão das velas. Pelo conteúdo, pelas ilustrações descritivas e pela qualidade dos profissionais Nuno Domingues, Artur Carvalho, Cristina Laimen, João Alexandre, Dora Pires e Cláudio Garcia. Realizaram um trabalho de reportagem impressionante, provando uma vez mais que a TSF é a Rádio talhada para os grandes momentos e não apenas uma espécie de lista telefónica etérea que se consulta diariamente quando se pretende procurar de ouvido uma informação em específico. 













Após o Papa adepto do clube argentino de Futebol San Lorenzolevantar voo de regresso a Roma, depois de menos de 24 horas em Fátima, veio a febre do Futebol. 
Antena1, Renascença e TSF numa extensa emissão especial antes do relato do jogo, durante o jogo e depois do jogo, que consagrou o Benfica como tetra-campeão nacional pela primeira vez na sua história centenária. Foi o último dos chamados “três grandes” a conseguir tal proeza. 
Tudo somado, na Rádio, a cobertura do encontro do título ultrapassou em várias horas os meros 90 minutos de jogo. 















Ainda a festa do Futebol decorria na Praça Marquês de Pombal em Lisboa e veio o terceiro “F” da noite: o Festival Eurovisão da Canção. Portugal em nervos, apontado como o país favorito à vitória na final, confirmou as expectativas e vence na Ucânia, em Kiev, com um tema cantado em português, ao contrário da maioria dos restantes concorrentes, que o fizeram em inglês. 
A perder desde 1964, e com algumas ausências recentes no longo percurso, Portugal ganha pela primeira vez em 2017 com uma canção inferior a tantas outras portuguesas de anos passados. Mas o contexto actual é, definitivamente, outro. Incluindo os métodos de votação.
Nos anos 60 eram as questões políticas, com o país a insistir num conflito militar pela manutenção das colónias africanas, sendo o último país europeu a perceber que aquela guerra nunca seria vencida. Mergulhado numa ditadura de décadas, Portugal estava fora da Europa e do Mundo. Basta ver a histórica pontuação de zero pontos na primeira participação, que foi um calvário. Nos anos 70 era a Democracia na corda bamba e todos os reflexos de quase meio-século de escuridão. Nos anos 80, os anos da fome e da crise económica, Portugal ainda não fazia parte da CEE e continuava a um canto. Nos anos 90 o modernismo do primeiro mundo encontrava-se no centro da Europa, mas Portugal já era membro de pleno direito da União Europeia, mas não membro de primeiro plano. A partir do ano 2000, também nos anos 2002, 2013 e 2016, Portugal somou ausências. Até à vitória de Salvador Sobral. Num dos seus discursos após a vitória, acusou, com verdade, a Rádio de passar quase sempre as mesmas músicas, até obrigar os ouvintes a gostarem delas. O que diria o cantor se algumas essas músicas que se repetem na Rádio fossem as dele? Não precisou da Rádio para que as pessoas gostassem da sua canção "Amar Pelos Dois", pois não? 
Fátima, Futebol e Festival. Desta vez o Fa(r)do foi poupado, mas essa é uma outra conversa. 
Há quem lhe chame “Efeito Marcelo” ou quem defenda que a nação deu um pontapé no passado com o chuto de Éder em Saint-Denis. Prefiro acreditar que tudo é fruto de muito trabalho e alguma sorte. 
No Sábado viveu-se um 13 de Maio português diferente dos que estávamos habituados, com glória e vencedores. Daquelas coisas que só acontecem de 100 em 100 anos, mas que não são milagre. 

domingo, 14 de maio de 2017

Os 50 anos deste disco






















Editado no dia 12 de Maio de 1967 
Álbum de estreia do norte-americano Jimi Hendrix. Para muitos considerado o maior guitarrista da História do Rock, Hendrix inicia com «Are You Experienced» uma forte mas curta carreira, terminada com morte prematura aos 27 anos de idade, em 1970.
Daqui saíram clássicos absolutos do Rock anglo-saxónico, como por exemplo a versão da canção "Hey Joe" e temas de uma fúria e elegância exemplares, como "Purple Haze" e "The Wind Cries Mary".
Gravado apenas com voz e quatro instrumentos: guitarra, baixo, bateria e piano.
Passou meio-século, mas continua a ouvir-se na Rádio.
O single "The Wind Cries Mary" foi editado no dia 5 de Maio de 1967.


sábado, 13 de maio de 2017

A LUGAR COMUM apresenta:

Douglas Dare (UK) 
www.aforger.com
www.facebook.com/douglasdaremusic

Sábado, 13 de Maio de 2017 às 22:00 
CAV / Centro de Artes Visuais COIMBRA 


































Na pequena cidade costeira de Bridport, Douglas Dare cresceu sempre rodeado de música. A sua mãe, professora de piano, encorajou o filho a compor desde tenra idade, algo que este começou a levar mais a sério durante a sua formação no Liverpool Institute for Performing Arts. As suas composições elegantes e, ao mesmo tempo, assombrosas, valeram-lhe rasgados elogios e comparações a nomes como James Blake ou Thom Yorke, fazendo com que captasse a atenção da consagrada editora londrina Erased Tapes. 
A partir de 2013, a relação com esta editora traduz-se numa mudança para Londres e em registos editados, primeiramente com o EP "Seven Hours" (2013) logo seguido pelo primeiro álbum "Whelm" (2014). Na sequência da edição e aclamação pela crítica destes primeiros registos, Douglas Dare começa a pisar palcos em nome próprio e na companhia de colegas da Erased Tapes, como Ólafur Arnalds ou Nils Frahm. 
O seu segundo álbum, "Aforger" (2016), surge na sequência de uma conturbada fase na vida pessoal de Douglas Dare, em que este se questiona sobre os limites entre a realidade e a ficção, sobre o que significa a identidade e a percepção desta, numa sociedade dominada pela tecnologia. Esta temática atravessa os poemas originais que servem de base às composições deste segundo disco, misturado nos icónicos estúdios Abbey Road, por Fabian Prynn. "Aforger" representa uma evolução também na composição e no som de Douglas Dare, agora mais denso e sombrio, mas ao mesmo tempo vulnerável e íntimo. 
Pela primeira vez em Portugal, o músico britânico traz todo o seu repertório na bagagem para apresentar, a 13 de Maio, no Centro de Artes Visuais, em Coimbra. 

An artist who genuinely has something to say about what it feels like to be alive in these times. 
The Quietus

Imagine John Vanderslice’s trembling melodic narration and pristine pop-rock craftsmanship applied to frigid electronic soundscapes out of a Thom Yorke solo album, and then get really excited. 
Stereogum

Douglas Dare’s music is solitary, passionate and moving. In the stories he tells, the melodies he sings and the conviction he sings them with.
The Line Of Best Fit







Bilhetes:
Entrada normal: € 8,00
Entrada associados Lugar Comum: € 6,00
Entrada "DESCONTO ESPECIAL": €6,00


DESCONTO ESPECIAL:
A 20 de maio a Lugar Comum recebe Noiserv em concerto, no Teatro Académico Gil Vicente. Os detentores de bilhete para esse espectáculo, que o apresentem na bilheteira do CAV, beneficiarão de um desconto especial na aquisição de entrada para o concerto de Douglas Dare. 

Dada a lotação limitada da sala, a garantia de lugar é aconselhada e pode ser efectuada mediante o envio de e-mail para lugarcomum.pt@gmail.com  (indicando nome completo e número de documento de identificação para posterior confirmação). As entradas reservadas deverão ser levantadas na data e local do concerto, entre as 21h30 e as 21h50, sob pena de perderem o seu efeito.

Lugar Comum – Associação de Promoção e Divulgação Cultural 




sexta-feira, 12 de maio de 2017

Hoje em SETÚBAL


































Ao soarem os primeiros acordes de Les éléments, instala-se o caos. Tem assim início esta obra que Jean-Féry Rebel compôs em 1737, então já com a respeitável idade de setenta e um anos. O deliberado e ostensivo uso da dissonância no maciço orquestral faz destas páginas um dos documentos mais surpreendentes da História da Música, e, por essa razão, um dos principais motivos de interesse em torno deste programa. 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Sons do interior






















Nesta 9ª emissão apresentamos alguns dos sons gravados no passado domingo, 7 de Maio, na aldeia do xisto da Benfeita, concelho de Arganil, por ocasião das 1620 badaladas que se escutam a partir do relógio da Torre da Paz. Esta torre, mandada erguer em 1945, em homenagem ao fim da II Guerra Mundial e ao facto de Portugal não ter participado neste conflito. Todos os anos desde então, a 7 de Maio, escutam-se 1620 badaladas, uma por cada dia que durou a guerra. Uma vez mais, depois dos trabalhos sonoros dedicados a esta efeméride, lançados em 2014, ligámos o gravador e gravámos as várias dinâmicas sonoras produzidas por este relógio antiquíssimo produzido em Almada.
Aproveitando a temática, apresentamos ainda nesta emissão uma peça sonora produzida a partir de sons gravados numa relojoaria de São Romão e que serviu, entre outras peças, para a sonoplastia da peça teatral MOMO, levada a cena em Seia pelos utentes da Casa Sta. Isabel.
Ainda na 1ª parte deste programa, tempo para escutarmos cinco peças sonoras dedicadas a 5 aldeias da rede das aldeias do xisto, nomeadamente: Benfeita, Vila Cova do Alva, Aldeia das Dez, Sobral de São Miguel e Barroca Grande.
Na 2ª parte continuamos pelo território do xisto, com uma peça produzida a partir de gravações sonoras numa série de aldeias, tendo em conta a entrada neste território a partir do IC8.  


Luís Antero 

Ouvir aqui 

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Baptista-Bastos

1934-2017 

                                                                                                            













Também foi da Rádio
Teve programas e foi cronista na Emissora Nacional, Rádio Clube Português, Rádio Comercial, Rádio Renascença e TSF. 
Jornalista, escritor, ensaísta, argumentista, prosador e cronista de eleição, com um uso riquíssimo e distinto da língua portuguesa.

Lisboa, 27 de Fevereiro de 1934 - Lisboa, 9 de Maio de 2017.

No mais belo programa de Rádio diário da actualidade, uma deliciosa conversa tida há três anos (Julho de 2014), quando Baptista-Bastos tinha 80 anos de idade e o 25 de Abril assinalava os 40 anos.
Ouvir aqui

E outra, também na Antena2, esta em Fevereiro de 2008, no programa de entrevistas «Quinta Essência», de João Almeida. Uma conversa reposta ontem à tarde, poucas horas depois da notícia da morte de Bapista-Bastos.
Ouvir aqui

terça-feira, 9 de maio de 2017

Boas canções novas que não passam na Rádio


Laura Marling  "Wild Fire"  


Feist – "Pleasure"  


Father John Misty – "Total Entertainment Forever"  


Fleet Foxes  "Third of May/Odalgahra



segunda-feira, 8 de maio de 2017

Boas canções novas que não passam na Rádio


Mac Demarco  "On The Level" 



Six Organs of Admitance  "Adoration Song"  


Chris Cohen  "As If Apart


Foxygen  "Follow the Leader"   


domingo, 7 de maio de 2017

Hoje no TURIM

































Domingo às 17:00
Reservas: geral@teatroturim.com
Tel. 217606666

TEATRO TURIM – Estrada de Benfica, 723-A, Lisboa.

sábado, 6 de maio de 2017

Hoje em LISBOA

































Pedro e Inês, Pelléas e Mélisande, Orfeu e Eurídice... 
Histórias de amores proibidos que contam o drama de quem, na impossibilidade de viver sem "o outro", se entrega na comunhão da morte. São narrativas reais ou ficcionadas que incendeiam a imaginação da Humanidade desde sempre. Este programa espreita por essa frondosa janela e dá de caras com três obras musicais plenas de fantasia e densidade dramática.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

6ª e Sábado no PORTO









FUNDAÇÃO ENGENHEIRO ANTÓNIO DE ALMEIDA  

Estarão presentes pessoas da Rádio mas, num primeiro olhar feito ao longo programa de actividades, não se encontrou nenhum painel subordinado à Rádio.

http://www.congressolmc.pt

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Esta semana na TSF

















Pedro Valente da Silva, chefe do gabinete do Parlamento Europeu em Portugal, é o convidado da Rádio Notícias a fazer escolhas musicais ao longo desta semana.
Sabedor da matéria que apresenta e conhecedor em detalhe dos temas seleccionados, um dos temas escolhidos por Pedro Valente da Silva é "Forbidden Colours" da dupla Ryuichi Sakamoto e David Sylvian. A canção foi originalmente gravada em 1983 para a banda sonora do filme «Merry Christmas Mister Lawrence» do cineasta japonês Nagisa Oshima (1935-2013), no qual o próprio Sakamoto contracena com David Bowie. No entanto, a gravação que se escuta na TSF é uma versão - igualmente cantada por Sylvian e tocada por Sakamoto - incluída na edição CD do álbum «Secrets of the Beehive» de David Sylvian, álbum que completará três décadas em Novembro deste ano.



戦場のメリークリスマス 

Outras escolhas musicais de Pedro Valente da Silva esta semana na TSF: Chet Baker - "My Funny Valentine"; The Velvet Underground - "Sunday Morning"; Bob Dylan - "The Times They Are a Changin'"; The Beatles - "Lucy in the Sky With Diamonds"; The Rolling Stones - "She's Rainbow"; "David Bowie - "Heroes"; Kraftwerk - "Computer World".

A Playlist de Pedro Valente da Silva
TSF-Rádio Notícias 
2ª a 6ª feira (13:00/14:00)
3ª a Sábado (02:00/03:00)
Sábado (14:00/15:00)
Ouvir aqui

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Hoje na RADAR





















Fred Neil foi um dos autores mais obscuros da música popular norte-americana na década de sessenta, mas se falarmos de canções como “Everybody's Talkin'”, “Candy Man” ou “The Dolphins” talvez nos lembremos de artistas que as cantaram, como Harry Nilsson, Roy Orbison ou Tim Buckley.
O segundo álbum da carreira de Fred Neil estará hoje na íntegra no programa «Álbum de Família» na RADAR, com a habitual contextualização a cargo de Joana Bernardo. 
Um grande trabalho discográfico muito pouco conhecido em Portugal. 

4ªfeira (14:00)
Domingo (12:00)
2ªfeira (23:00)

terça-feira, 2 de maio de 2017

Domingo à tarde em Lisboa
















Serviço Público 

Terminou no Domingo a 11ª edição dos Dias da Música, que são também uma festa da Rádio em directo.
Muitas horas de programação especial no canal erudito da Rádio pública portuguesa, com transmissão integral de concertos, reportagens, entrevistas e constantes intervenções a partir das várias salas de espectáculo do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, incluindo Rádio realizada ao vivo no estúdio da Antena2 montado num dos átrios do complexo. A Rádio fora das quatro paredes e próxima das pessoas.
Coisas impossíveis de acontecer se não existisse serviço público de radiodifusão. 
















Ao contrário do que tem sido habitual, no último dia não foi anunciado o tema da próxima edição dos «Dias da Música». Será revelado este mês, aquando da publicação da próxima temporada do CCB. 

Sábado à noite em Lisboa













A curta-metragem «António Lindo António» foi finalmente exibida numa sala de Cinema na capital, depois de anteriores projecções em solo nacional no Festival Curtas de Vila do Conde e no Festival Córtex em Sintra. 
O multi-premiado documentário realizado pela cineasta Ana Maria Gomes conta a história familiar de um filho que emigrou há cinquenta anos para o Brasil e não mais voltou à aldeia portuguesa de origem, onde sua mãe o espera há meio século. Subtil e tocante, esta curta-metragem (não tão curta assim, já que ultrapassa os 40 minutos de duração) foi estreada internacionalmente em 2015. 
A Rádio tem uma breve participação na história, com a mãe de António rodando o botão na captação de frequências, como quem busca algo de muito precioso e único como é um filho para uma mãe. Como se, citando Sam Sheppard, estivesse "Ansiando por um posto mágico que o devolvesse à sua herança, há muito perdida." 


















«António Lindo António» caracteriza-se por uma extrema contenção emocional, detendo em si o paradigma das mais incomuns histórias contadas em filme que, uma vez reveladas antes do final, liquida qualquer efeito pretendido. Traz à memória a chave da obra-prima «The Woman in the Window», de Fritz Lang. Encontra-se na categoria das obras proibidas de contar o final antes de o ver. 



segunda-feira, 1 de maio de 2017

Syracuse, USA